Monthly Archives: Abril 2014

Para o fim-de-semana

Em Lisboa:

1378812_786897277989821_9131083657923562843_n

No Porto:

abreu_frutuoso_site

Links: Dama Aflita … Horácio FrutuosoRicardo Abreu … Espécie de Feira / Imaviz Underground

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, ilustração, mercado

Falta de Visão?

Visão__1_k024

Para comemorar os 40 anos do 25 de Abril de 1974, o Encontro Às Quintas Falamos de BD no Centro Nacional de BD e Imagem (CNBDI – que organiza a BD Amadora), não se realiza na quinta-feira dia 24, mas HOJE, às 21h. A alteração da data prendeu-se com o elevado número de iniciativas que acontecem no dia 24 à noite e com a impossibilidade de, previsivelmente, não se poder contar com a participação de todos aqueles que gostariam de estar presentes no Encontro preparado para este mês de abril.

Assim, no dia 29 o CNBDI quer assinalar a passagem dos 40 anos do 25 de Abril de 1974 com um (re)encontro dos autores que colaboraram na Visão, revista de banda desenhada nascida em 1975, e que encetaria um novo capítulo na BD portuguesa.

Foi uma revista ícone dos anos 70, para os autores nacionais, influenciada pela Pilote e por outras revistas francesas “adultas”, era no entanto, um periódico demasiado luxuoso para um país pobre e demasiado vanguardista para um país atrasado. Um oásis impensável. Teve apenas 12 números e um curto tempo de vida, de Abril de 1975 a Maio de 1976.

Neste serão conta-se também com a participação musical de Francisco Fanhais, ex-sacerdote católico, condecorado com Ordem da Liberdade, em 1995 e conhecido cantor e compositor, um dos chamados “cantores de intervenção”. Resta dizer que o CNBDI não divulgou quais os autores que vão estar presentes, mas deixamos aqui um pequena pista: Victor Mesquita, Pedro Massano, Isabel Lobinho, Carlos “Zíngaro”, Carlos Barradas, Zepe

Aproveitando a deixa, apesar do sítio aCalopsia ser uma bacia porca dos patos Disney e tanta outra divulgação “bedófila”, felizmente publicaram uma interessante conversa entre Pedro MouraCarlos “Zíngaro” realizada em Fevereiro de 2009, tendo como mote uma exposição dedicada ao autor, no Museu Arqueológico Martins Sarmento, em Guimarães comissariada, por Marco Mendes.

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, referência

1385 amanhã…

Batalha Aljubarrota-kfrAmanhã, às 18h30, na Férin é lançado mais um pedaço de BD portuguesa histórica, sempre com aquele bedúm nacionalista deste género, embora o seu autor Pedro Massano não seja de desprezar dentro deste estilo “clássico”. Trata-se de A Batalha 14 de Agosto de 1385, dedicado à vitória dos portugueses na batalha de Aljubarrota, de onde se espera um bom punhado de armaduras, muitos cavalos e freaks de seis dedos como se pode verificar aqui – as armaduras e cavalos, os seis dedos, infelizmente, nem por isso…

1 Comentário

Filed under bd portuguesa

Que cueca usava no 25 de Abril?

9

Jorge Machado Dias, editor da Pedranocharco e do Jornal BD, respondeu no seu blogue “onde estavas tu no 25 de Abril?”. É sempre engraçado ou interessante ler sobre como a Revolução dos Cravos foi vivida pelas pessoas normais mas não esperavamos ver este editor na sua intimidade da caserna militar a engraxar as botas e de cueca. Um momento único na BD portuguesa. Muito obrigado!

Deixe um comentário

Filed under referência

Succedâneo de retrospectiva

Succedaneo retrospectiva fundao

Não soubemos desta mas entretanto lê-mos aqui o texto de Pedro Moura para a exposição e relembramo-nos que este fanzine Succedâneo teve uma exposição retrospectiva na Bedeteca de Lisboa em 2006 – quando a Bedeteca também comemorava 10 anos – intitulada Agora… chuchai no dedo.

Aproveitamos para recuperar a nota de imprensa de 2006: Editado por João Bragança co-habitaram nestas páginas bd’s, ilustrações, fotografias, assemblagens, restos mortais de instalações e performances essencialmente do editor mas também de outros criadores como o Neno, Paulo Pinto, Janus (autor d’O Macaco Tozé), Isabel Carvalho, Piggy, Pipa, Kromleqs (banda de música experimental)…

E se em 10 anos o Succ (como é carinhosamente apelidado pelos seus fãs) se metamorfoseou em vários objectos, nomeadamente, em carteira do Digimon, no interior de exemplares da antiga revista Flama ou dentro de saco de dejectos caninos, ou ainda numa caixa de plástico para comida, para acabar a façanha editorial e fugindo ao tradicional papel fotocopiado, teremos um Succ em formato de automóvel!

Sim leram bem, é triste, mas o Succ acabou! O número -31 (o Succ tinha numeração negativa) será reduzido à edição de dois exemplares: dois carros produzidos pelo autor e colaboradores – cuja construção foi possivel acompanhar em http://www.fanzinex.blogspot.com. Mas para os mais convencionais será feito um “fanzine propriamente dito”, «um sucedâneo do Succedâneo – queremos com isto dizer que o fanzine propriamente dito será um todo cheio de vértices, de volumes, de pormenores e a edição do sucedâneo do Succedâneo, será um meio de o fazer chegar até ao comum e pobre mortal».

Um destes exemplares está exposto na sala de exposições da Bedeteca para além da reconstituição da instalação “Vida de autor” (originalmente exibida no Zalão de Danda Besenhada, na Galeria ZDB, em 2000) e originais de ilustração e banda desenhada, fotografias, documentos, objectos diversos, enfim, tudo o que fez parte da história de um dos mais emblemáticos e duradouros zines editados em terras lusas.

Mas o que é isso do fanzine? – questionar-se-ão alguns leigos. A palavra resulta da contracção de “Fanatic” (fã) com “Magazine” e foi utilizada pela primeira vez na década de 40 para designar as publicações artesanais que começavam a surgir nos EUA e que se caracterizavam pela sua reduzida tiragem e distribuição e dedicação a temas específicos. Desde a explosão Punk e a expansão das fotocopiadoras que os fanzines passaram a ser o veiculo de ideias contra-culturais, disseminadores de ideias marginais e meio de expressão criativa por natureza ao ponto de alguns editores preferirem denominar de “zines” – os fanzines já não são fãs de algo. Assim se mantêm até hoje, à margem dos circuitos comerciais. A independência total está na sua essência. A sua concepção e produção resulta da exclusiva vontade do editor, do prazer que encontra em fazer e comunicar com outros. Esta total ausência de limites fazem dos zines um laboratório de criatividade, quer no plano dos conteúdos, quer no que respeita ao formato, grafismo, materiais utilizados ou no que toca à forma de distribuição e periodicidade. Esta é normalmente irregular, pois tudo depende do tempo e dos recursos do editor. Mas isso pouco importa, quando se gosta muito a paciência também não tem limites.

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, referência, zines

Abysmo duplo no 25 de Abril

Na galeria Abysmo esta Sexta-Feira, às 18h, invés de comemorarem o 25 de Abril como todas as pessoas decentes, vão inaugurar duas exposições de ilustração que ficarão aptentes até 9 de Maio.

A primeira é da belga Marriette Tosel, intitulada de Beijo de Língua e é dedicada ao livro W.C. (imagem). O evento conta com a presença de Tiago Manuel, representante em Portugal desta artista. Sabemos que foram feitas 20 originais novos para esta exposição que veio em muita boa altura uma vez que o livro W.C. foi seleccionado para o concurso Comic And Cartoon Art Annual promovido pela Society of Illustrators, a mesma instituição que premiou recentemente André da Loba e Marta Monteiro.

A segunda exposição é uma colectiva com o título de A Invasão Sai de Casa que na sequência da exposição homónima foi desenvolvido um livro para as Edições Eterogémeas um libro-objecto que se desdobra em exposição das próprias pranchas impressas, a partir do convite a ilustradores e escritores para «visitarem» a singular instalação de animais selvagens. Colaboraram no livro os seguintes ilustradores: Ana Salvador, André da Loba, Afonso Cruz, Bernardo Carvalho, Cristina Valadas, Diogo Bessa, Elsa Navarro, Emílio Remelhe, Evelina Oliveira, Fátima Afonso, Gémeo Luís, Inês Oliveira, João Vaz de Carvalho, José Manuel Saraiva, Júlio Dolbeth, Leonor Zamith, Maria do Carmo Louceiro, Mariana a Miserável, Mariana Rio, Marlene Couceiro, Marta Madureira, Pedro Serapicos, Rachel Caiano, Rui Mendonça, Rui Vitorino Santos, Susana Carreiras, Susana Fernando, Teresa Lima, Valdemar Santos e Yara Kono.

Deixe um comentário

Filed under ilustração

Lemos no teatrão!

cartazConta

 

Um dos nossos ilustradores favoritos de sempre, André Lemos, meteu-se a desenhar para o teatro… Em Coimbra ainda por cima!

Deixe um comentário

Filed under ilustração