Quinta Sonora

30days_score

Caramba! A Bedeteca de Lisboa é mesmo altamente! Tem até o CD 30 days of night de Brian Reitzell! E pelos vistos continua haver novidades às Quinta-Feiras!

Raramente há bandas sonoras que mereçam edições áudio, afirmação demasiado fundamentalista, bem sabemos mas geralmente o que se ouve são ou orquestrações manhosas de música clássica estagnada em tiques anacrónicos ou então colectâneas de Pop nostálgico – para não falar do ridículo J-Pop nos Animes – embora também sabemos que há bandas sonoras porreiras como a do Natural Born Killers e algumas divertidas como as dos filmes de Bollywood! Reitzell foi o menino querido para b.s.o.’s nos últimos tempos: As Virgens Suicidas, Lost in Translation, Marie Antoinette, etc… Admitindo à natural aversão a adquirir bandas sonoras nem nutrindo simpatia pelo cinema em cartaz comercial não vimos os filmes citados, excepto o Lost in Translation que não nos lembramos da sua banda sonora ser digna de discussão.

No entanto… Chapéu para baixo quando chega aos 30 Dias de Noite, adaptação cinematográfica da BD de Steve Niles e Ben Templesmith (com 3 volumes editados em Portugal pela Devir). O filme tal como a BD tem um ponto ou outro acima da média “Hollywood Trash + Entertainment Comics + Made in USA” mas a banda sonora é um arranjinho de nervos de tirar a respiração de tão atonal e claustrofóbica que é!  Nem podia ser de outra forma, porque a história da BD/filme trata de uma aldeia no Alasca que fica 30 dias sem sol, isolado do mundo e perfeita para os vampiros fazerem um bacanal de sangue…

Reitzell usa dezenas de instrumentos analógicos, eléctricos, acústicos e digitais para nos meter “impressão”, e consegue atingir o objectivo apresentando peças que exploram música concreta e Industrial. Há alguns clichés da b.s.o.’s de filmes de terror mas aqui sempre com momentos inesperados e ruidosos. Destaque ainda para o arranjo gráfico do CD que apresenta uma série de fotografias escatológico-vampiresca e de paisagens ne(r)vosas de grande beleza.

capa_mTambém presente na Bedeteca e com o livrinho do CD cheio de imagem é o único registo dos portugueses Mandíbula: Sacrificial Metal of Death (Ethereal Sound Works + Caverna Abismal; 2013). Banda Black/ Doom Metal portuense cujo o “artwork” foi feito pelo ilustrador e autor de BD André Coelho (do recente livro Terminal Tower) que lhe deu numa inspiração metaleira na linha de Satyricon, Candlemass, Venom e outras extremidades musicais…

Claro está… esta é que é a música perfeita para o Verão!

Deixe um comentário

Filed under outros media

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s