Monthly Archives: Maio 2017

Cheesecake Gaiman

59234de892205_375x375

Neil Gaiman, um dos mais célebres argumentistas de BD (e agora de TV) e escritor de Fantasia, aceitou o desafio de ler o menu de um fornecedor de “cheesecakes” (convenhamos, umas das maiores delícias do mundo!) em troca de um milhão de dólares para serem doados ao Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. A angariação é até 20 de Junho (Dia Mundial do Refugiado) em sistema de “crowdfunding” e com tique de Sociedade do Espectáculo, aqui divulgamos pela boa causa.

O autor tem sido bastante publicado em Portugal nos últimos tempos, ora com todo o Sandman ora com um livro medíocre (editado pela Bertrand).

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under outros media

É preciso fazer um desenho?

18198509_1034013573395544_1284159523897649418_n

Repete-se este ano a Festa da Ilustração em Setúbal que vai agora para a terceira edição! Talvez seja feita outra vez a edição ilustrada do Diário de Notícias confirmando totalmente o que já desconfiamos quando este evento surgiu, que a Câmara de Lisboa e o Público perderam oportunidades, é assim a vida! A Ilustração Portuguesa já está lá estabelecida…

A Ilustração Portuguesa foi um evento criado e realizado pela Bedeteca de Lisboa entre 1998 e 2004, com seis álbuns pesados com o melhor que a ilustração nacional produzia de ano para ano, até que passou a bienal nas últimas duas edições. Desde o ano passado que passou para Setúbal, roubada à cara-podre! Em compensação Lisboa tem mais tuk tuks poluentes que Setúbal. Parabéns!

É uma festa em que os ilustradores mostram as suas opiniões ilustradas. É uma festa mesmo, em que toda a gente se diverte e convive à volta de desenhos, uns mais coloridos outros menos coloridos, mas todos com ganas de dizer bem alto que a ilustração está a viver momentos excepcionais. Esta festa tem contornos únicos em Portugal e no mundo. Nunca uma cidade esteve tão ilustrada. António Jorge Gonçalves (imagem) é o autor contemporâneo exposto. Manuel Ribeiro de Pavia o ilustrador consagrado, em exposição concebida por Jorge Silva…

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, concursos, ilustração

Altarriba e Kim

01

Nascido em 1910 em Espanha, António Altarriba, pai, atravessará o século XX e as suas horas mais negras, para se suicidar finalmente em 2001. António Altarriba, filho e argumentista deste livro, irá em busca da história dele, para poder contá-la e talvez conseguir perceber as razões do suicídio deste homem de 91 anos que tinha sobrevivido a duas guerras mundiais e a uma guerra civil. Mas mais do que simplesmente biografia gráfica, A Arte de Voar é um panorama brilhante do século 20 espanhol, desde os seus princípios rurais e quase feudais, até à modernidade cinzenta do pós-franquismo. 

Na colecção Novelas Gráficas, este livro ocupa um espaço de relevo, por ser uma das grandes revelações mais recentes da banda desenhada do nosso país irmão, mas também por ser o primeiro representante de um género que tem vindo a tornar-se quase sinónimo com a novela gráfica, a novela gráfica biográfica. Mas foi também um dos livros que mais êxito granjeou no país vizinho, e que caiu como uma bomba numa Espanha que ainda hoje tenta fazer as pazes entre todas aquelas facções que a dilaceraram ao longo do século 20.

Antonio Altarriba Pai suicidou-se aos 91 anos, um acto que deixou Antonio Altarriba Filho em choque, e perplexo, e que o levou a procurar as razões deste suicídio aparentemente irracional e sem sentido. Descobriu cartas e textos escritos pelo seu pai, e aos poucos foi reconstruindo esta biografia, que se tornou também, de algum modo, autobiografia da sua busca dessa história da Espanha, e de uma ligação ao seu pai.

Antonio Altarriba, o argumentista deste livro, é um estudioso de BD (…), romancista, ensaísta e argumentista de BD, com uma obra vasta, entre a qual destacaremos Tintin y el Loto Rosa, um “romance” com Tintin como personagem, e que lhe custou dissabores com os detentores dos direitos de Hergé, bem como alguns livros em colaboração com Luis Royo, nos anos 1980. É secundado neste volume pelo desenhador Kim, pseudónimo artístico do catalão Joaquim Puigarnau, um dos grandes cartunistas e desenhadores da geração de ouro do comic espanhol adulto, e membro fundador da revista El Jueves uma das principais revistas satíricas espanholas (…) com quem colabora desde 1977 (colaborou também com inúmeras outras revistas, desde as mais underground às mais mainstream, como Mata Ratos, Makoki, Rambla ou El Víbora). (…)  A Arte de Voar foi a sua primeira novela gráfica. Para se documentar e preparar os desenhos que representaram as diversas épocas, Kim não hesitou em comprar uma colecção de fotografias de Robert Cappa e… o seu primeiro computador! 

(…) Comparado e com justiça – quer no género, quer de certo modo em estilo, com obras como Maus de Art Spiegelmann, ou O Diário do meu Pai, de Jiro Taniguchi (…) – este verdadeiro romance chegou a ser pensado como novela não-gráfica, mas o seu editor de BD convenceu Antonio Altarriba a transformá-lo em novela gráfica, usando as cerca de 250 páginas que o seu pai tinha escrito para combater a depressão que se tinha apoderado dele no lar em que vivia. A Arte de Voar levou cerca de três anos a completar. Foi lançada em 2009, e como diz o autor Felipe Hernández Cava, surgiu “em plena efervescência desse oximóron a que se convencionou chamar memória histórica, como se a memória e a história não fossem contraditórias na sua arquitectura e filosofia, e no meio do auge da banda desenhada autobiográfica, praticamente convertida num subgénero”.

Obra seleccionda para a Bedeteca Ideal. 

955b627abe0046d8a9ddd0b01d20d602

Entretanto chegou à Bedeteca de Lisboa a “sequela” deste livro, trata-se de A Asa Quebrada, um relato em que Altarriba volta às décadas conturbadas da vida do seu país, desta vez através dos olhos da sua mãe. O destino e a vida trágica desta mulher, que viveu as maiores agruras às mãos dos homens que a rodeavam, abusada pelo seu pai e violada, esconderá um segredo e uma esperança que o seu filho, Antonio Altarriba, perseguirá neste livro poderoso e duro, que servirá de chave para ele poder finalmente fazer as pazes com o seu passado. Apesar da vida da “mãe” ser menos aventurosa que a do “pai”, enquanto BD este livro é mais equilibrado e solto que A Arte de Voar. É de vir à Bedeteca lê-los e decidir…

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd estrangeira

C.C.M.

13876105_1154971274560198_4710221036579695869_nChegou um volume da Colecção Novela Gráfica do ano passado com o jornal Público. Trata-se de Valentina do italiano Guido Crepax (1933-2003), autor reputado que ficou sobretudo visto como um mestre do erotismo.

Embora nascida como personagem secundária noutra série de Guido Crepax, Valentina, uma sensual fotógrafa de moda vai tornar-se a mais conhecida personagem do seu autor, graças às suas aventuras surreais, em que o onirismo e o erotismo se fundem. Este volume recolhe uma selecção das melhores aventuras de Valentina (…) marcados pelo traço sensual de Crepax e pelo seu uso inovador da planif­icação, com destaque para Baba Yaga e para Valentina no Metro (…).

Alguns episódios de Valentina foram publicados no jornal Lobo Mau nos finais dos anos 70, em livro há alguns episódios seus de adaptação histórica na colecção A descoberta do Mundo (nos anos 80) e o álbum A História de O foi publicado em 2005 (adaptação do romance erótico S/M de Pauline Réage).

Obra seleccionada para a Bedeteca Ideal.

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd estrangeira

Spray

Spray Works X.A.

Inaugura no HOJE, às 18h, uma exposição individual de  Xavier Almeida na Galeria Sol (Porto), intitulada de Spray Works.

Os trabalhos surgiram primeiramente para resolver um problema: rapidez e identidade na produção dos cartazes das sessões semanais Estrela Decadente (Graça, Lisboa). Isso foi no início de 2016 e até agora foram desenhados mais de 60 cartazes (com dimensões aproximadas do A0). Contudo essa investida rapidamente se ramificou para outras áreas e de repente passou a ser uma das técnicas favoritas de Xavier Almeida, que começou a explorá-la em trabalhos de desenho, de banda desenhada e acção/instalação. O resultado são trabalhos densos e espontâneos; onde o spray passou a ser personagem secundária; existe apenas para um fim, uma imagem.

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, outros media

O cartaz do Singular exposto

Singular_02web

Para quem ainda não percebeu, existiram quatro versões coloridas do cartaz do Singular – Uma Festa para os 21 Anos da Bedeteca de Lisboa de autoria de André Pereira, membro do colectivo de autores Clube do Inferno… Para quem gosta de “ver os bastidores”, até ao final de Maio, estará em exposição os estudos e o original do cartaz do evento, são uns belos A2 a grafite.

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, ilustração

Crystal Cabinet até ao fim de Maio

thumbnail_Caixas de luz

Faz 18 anos que a reconhecida e premiada ilustradora Maria João Worm (do colectivo Quarto de Jade) inaugurou a exposição Como se um manuscrito se tratasse na Bedeteca de Lisboa em Março de 1999.

No passado dia 22 de Abril , no âmbito do Singular – Uma Festa para os 21 anos da Bedeteca de Lisboa, foram colocadas duas peças muito especiais que relembram esse evento mas com uma nova… electricidade! As luzes estarão acesas até ao final de Maio.

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, ilustração