Monthly Archives: Maio 2019

Punks a darem-nos música!

60694190_2583064138387979_4897098183068352512_n.jpg

Os verdadeiros punks são mais rápidos: A Zerowork Records apoiou a edição do CD Music for Antropomorphics dos brasileiros Mechanics, trabalho sinérgico que acompanha o livro de BD Música para Antropomorfos, de Fábio Zimbres, obras de 2006 agora publicadas em Portugal pela Chili Com Carne.

Fábio Zimbres é um artista gráfico único no Brasil e mais outro pedaço do Mundo bem grande, editor omnisciente, foi ele o responsável pela revista ANIMAL : FEIO, FORTE, FORMAL – distribuida em Portugal permitindo aos portugueses ter um contacto com séries memoráveis como RanXerox, Love & Rockets, Tank Girl, Peter Pank e muitos mais, incluindo resenhas do João Gordo dos Ratos de Porão!!

O autor vai estar presente de 31 de Maio a 2 de Junho no Festival de BD de BejaAMANHàé dia oficial do lançamento com conversa com o autor às 15h30. Fostes avisado!

(…) podes comprar o livro, a 15 paus (…) sendo que o CD está limitado a 300 cópias.

Deixe um comentário

Filed under bd estrangeira, referência

Quinta do Tabu

36c3212eac864923a413ef082b1cf772

Chegou à Bedeteca de Lisboa a colecção completa de Taboo, antologia de Horror dos 90s, editada pelos autores de BD John TotlebenSteve Bissette. Composta por nove números e um especial foi nestas páginas que Alan Moore começou o Do Inferno ou Lost Girls com Eddie Campbell e Melinda Gebbie respectivamente, ou foi dado a conhecer os “Olhos do Gato” ao público inglês. Mas nem tudo é bom, algum material definitivamente não sobreviveu ao teste do tempo. Destaque para a série Through the Habitrails de Jeff Nicholson, um passagem pelo inferno do mundo do trabalho…

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd estrangeira

Autarcas suspiram de alívio…

ocorvo29052019

Triste (última) notícia d’O Corvo.

Deixe um comentário

Filed under obituário

Beja e a preguiça…

20190423160947409

Os cartazes coloridos do Festival de Beja continuam mas a programação continua cinzenta – como eram os cartazes anteriores à 13ª edição. A “bedófilia” reina – Michel Vaillant em 2019!? LOL! – apesar das presenças e exposições dos espanhóis António Altarriba, Kim e Miguel Martín Angel, do brasileiro Fábio Zimbres, do francês David Sala e as miúdas do Nódoa Negra.

Ainda assim não deixará de ser um simpático ir lá dar um saltinho este fim-de-semana à 15ª edição do Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja que realiza-se entre os dias 31 de Maio e 16 de JunhoInaugura na Sexta-feira, às 21h, na Casa da Cultura, o núcleo principal. São 20, as exposições, com autores de muitas partes do Mundo: Bélgica, Brasil, Colômbia, Espanha, Estados Unidos da América, França, Holanda, Inglaterra e Portugal.

O Festival oferece ainda aos visitantes uma Programação Paralela bastante diversificada: apresentação de projectos, conversas à volta da BD, lançamento de livros, sessões de autógrafos, concertos desenhados, etc. Terá também à disposição de todos o Mercado do Livro, com mais de 70 editores presentes, venda de arte original, venda de merchandising, etc. (…) O primeiro fim-de-semana (31 de Maio a 2 de Junho) reunirá os autores representados nas exposições.

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos

Segunda Virgem

CAPA FINAL - A VIAGEM DA VIRGEM

Quem conseguir ler o título deste livro ganha prémio mas como somos umas sovinas estragamos já a surpresa, trata-se de A Viagem da Virgem que a Escorpião Azul está a reeditar em português – o trabalho é de 2006, originalmente intitulado The Virgin’s trip pela El Pep.

Obra colectiva cuja história e conceito é de Pepedelrey, que foi transformada na narrativa organizada por Nuno Duarte, depois desenhada por quatro desenhadores (Pepedelrey, Jorge Coelho, Rui Gamito e Lacas), tratando-se de uma história que se encaixa segura e facilmente na “ficção científica”, está mais próxima de um trabalho adulto que se encontraria nas histórias curtas Metal Hurlant francesa que qualquer outro tipo de produção. A utilização de todos os elementos que fazem reconhecer esse “género” é, porém, para levar de imediato para outras paragens: estamos perante a discussão de dois companheiros, entre a obsessão de um deles por uma mulher, a qual, como alguém já disse, reescreve o conceito de “mulher-objecto”, e a busca do seu comparsa em entender essa obsessão transformando-a sua e pervertendo-a, não sem antes se repor a ordem desequilibrada. É admirável como a utilização de três artistas, de traços diversos mas que ganham alguma osmose por conviverem num mesmo espaço, e seguindo técnicas e efeitos de cor idênticos, se plasma com a história que está a ser contada, com as etapas dessa história, provocando um sentimento de estranheza, ou até de desconfiança, como diz David Kino, à entrada do livro. O formato oblongo, a vinheta por página (fora certas excepções inventivas), o amarelo-torrado e ocres contrastando com as escalas de cinzentos e os pretos brilhantes, as relações dos textos com os silêncios, e dos mesmos com os desenho, fazem de Virgin’s Trip um gesto algo inusitado neste país, sem preconceitos nem presunções, mas conseguido e que pode servir de lição a quem sofre de inércia..

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd portuguesa

New Kobe Novo

Bertoyas que esteve o ano passado em Lisboa – na RAIA 2 – deixou mais números do seu louco zine Kobe na Bedeteca de Lisboa. Entretanto apareceu também o novo número, o 29. Enquanto isso na França, de seis em seis meses aparece mais um volume cujo objectivo é reeditar toda a sua obra.

Este autor francês já fez livros pela L’Association e pelo Le Dernier Cri, o que não lhe impede de manter uma actividade DIY tão cheia de energia que passa pela estética iconoclasta “underground” e o sem-sentido degenerativo que nos faz perder em mil referências culturais em desnorte narrativo. É mais para ver do que ler dirão, não digo o contrário, embora seja divertido de se ler e de se ver.

J.M. Bertoyas nascido em 1969 numa região de florestas e ruínas radioactivas. Podemos dizer, com algum excesso discursivo, que o autor descobriu, para barrar o horror deste mundo, uma forma simples e económica para se exprimir (ou fugir, se preferirem): a banda desenhada. Sendo a sua obra caótica, agradável e muito esfumaçada. Cof cof Publicou em vários editores independentes de referência como L’Association, Les Requins Marteaux e Le Dernier Cri, para além do seu fanzine Kobe que já perdemos a conta da numeração. Actualmente trabalha com as edições Adverse e Arbitraire e tem cara de quem curte Mudhoney.

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd estrangeira, zines

Perninha para 2014

22222222222222222Eis que chegou um livro de autor de José Feitor à Bedeteca de Lisboa intitulado Uma Perna Maior que a Outra. Misterioso título, que na Internet não se encontra nenhuma informação sobre o livro, sinopse para aguçar o apetite, imagens para babar ou o quer que seja.

Parece uma elegia familiar, será? Um acertar de contas com o passado? Um revisionismo alucinado da infância? Tudo isto ou nada das hipóteses? Tanto nos dá, está com uma qualidade incrível como é normal vindo das edições da Imprensa Canalha!

Só a Bedeteca para ter estes objectos editoriais!!

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, ilustração, zines