Monthly Archives: Julho 2018

Ofende-me na Bedeteca

Lançado naquele dia tão Singular dos 21 anos da Bedeteca de Lisboa, o colectivo Dor de Cotovelo fizeram 50 exemplares para oferta de Ofende-me que foram todos à vida dado à enchente de gente nesse dia!

Felizmente encontram-se exemplares para empréstimo e consulta no acervo da Bedeteca, e finalmente, depois de um ano, está catalogado um exemplar deste fanzine de BD com jovens autores de BD portugueses, alguns deles saídos da escola Ar.Co., como Gonçalo Duarte, Dileydi Florez, Guilherme Figueiredo (que assinava Gréc), Ana Braga, Tiago Martins, Ema Gaspar, Cecília Silveira e Pedro Brito – mas não não é esse que pensam…

Anúncios

1 Comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd portuguesa, zines

Lisboa a três vinténs

Expo tres vintens_01

A Três Vinténs é o título principal desta exposição. Uma antiga gíria que se referia ao preço barato que custava cada fascículo, onde se publicavam faseadamente, por entregas semanais, romances de cariz popular protagonizados por corsários, detectives, gangsters, ladrões famosos e outras personagens capazes de fascinar os leitores. Constituíram uma forma de publicação popular surgida na segunda metade do século XIX nos EUA, que se expandiu para a Europa.

Em Portugal foram editados os primeiros fascículos a partir de 1909, graças aos quais se popularizaram os nomes de Arsénio Lupin (Arsène Lupin), Capitão Morgan, Texas Jack, Nick Carter, Búfalo Bill, a que se juntaram personagens da autoria de escritores portugueses, designadamente Repórter X de Reinaldo Ferreira, e Dynamite Joe de Roussado Pinto. É a amostragem minuciosa de exemplares destes fascículos que constitui o escopo da exposição A Três Vinténs – 100 Anos de Fascículos de Aventuras em Portugal, visitável na Biblioteca Nacional, até 14 de Setembro deste ano, e co-organizada pelo Clube Português de Banda Desenhada.

Deixe um comentário

Filed under outros media, referência, silly season

It’s educational

OUniverso-fte

De formato reduzido mas com muito conteúdo, a Gradiva lança de uma assentada Os Direitos do Homem – Uma Ideologia Moderna de François De Smet (a) e Thierry Bouüaert (d) e O Universo : Criatividade Cósmica e Artística com Hubert Reeves (a) e Daniel Casanave (d), que já se encontram na Bedeteca de Lisboa.

No último caso, dizem: com o talento de divulgador que já conhecemos, Hubert Reeves explica, com remissões hábeis para a criatividade humana que a Ciência revela, o que hoje sabemos acerca da criação do Universo. Com palavras e ideias simples, Hubert Reeves consegue que compreendamos o infinitamente complexo, desvendando conceitos e factos que assim ficam ao alcance de todos. E sobre o primeiro: Em 1948, na sequência da guerra e da descoberta do horror da Shoah, um comité propôs-se redigir a primeira Declaração dos Direitos do Homem de alcance universal. Esse acontecimento dará lugar a um diálogo e, nalguns casos, a uma confrontação transformadores entre várias visões e sistemas políticos do mundo. Neste livro conta-se a história da equipa que lançou no papel um sonho comum: um mundo no qual o Homem não voltasse a ser lobo do Homem…

Bom, bom era que a Gradiva voltasse a publicar os livros do Gonick

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd estrangeira, formação, miúdos

IP: hoje e até 14 Setembro

37697557_2111035388969347_1646705592456183808_n

+ info aqui

Deixe um comentário

Filed under acontecimentos, ilustração

Quinta das Fofuras

CAPA-Nem-todos-os-cactos-têm-picos_Divulgação

Nem todos os cactos têm picos é o novo trabalho oficial de Mosi – esqueçam o Altemente, sff – que nos restaura uma tranquilidade que esta autora não será mais uma autora de BD lamechas que inundam o mercado nacional de BD. Se o vier a ser pelo menos mostrará mais técnica e melhor escrita que a média. Livrinho apontado para “teenagers” conta uma história de Rita e Luísa, amigas desde a primária, mas a solidez dessa amizade vai ser testada, quando Luísa começa a gostar do João. Uma história simples de amizade entre duas amigas, marcada pelas recordações e pelo simbolismo das flores.

tumblr_inline_p34zmiUPus1uvs3h6_500Longe da “heteronormalidade” também chegou nesta Quinta-Feira das Novidades à Bedeteca de Lisboa o Lado Bê da brasileira Aline Lemos, publicado pela Sapata Press. Diz a sinopse que As habilidades e multitarefas de pessoas bissexuais vão muito além do clichê hipersexualizado do ménage. É ou não é? Não sabemos / não respondemos mas afirmamos que está aqui um objecto giro e com um conteúdo certeiro.

De resto, Agosto está a chegar e não haverá mais Quintas das Novidades nesse mês.

Deixe um comentário

Filed under acervo da bedeteca, bd estrangeira, bd portuguesa, miúdos, zines

Hijos de p…

Dio7tybVQAANApJ

A mui amada personagem de BD Mafalda está a ser usada nas questões da legalização do aborto na Argentina por ambas as partes da questão. Mafalda a usar um lenço azul significa contra o aborto, usando lenço verde é favor dos direitos da Mulher. Quino, o seu criador já declarou que não autorizou o uso da personagem contra o aborto e para deixarem de a usar para esse propósito. Estranhos tempos estes em que as personagens de BD são apropriadas pelos fascistas

Deixe um comentário

Filed under bd estrangeira, referência

O CAMPO ALARGADO E OUTRAS IRRITAÇÕES

Domingos Isabelinho

(Texto escrito por ocasião da publicação da lista dos dez melhores comics de sempre no blogue The Hooded Utilitarian.)

Ana Hatherly, O Escritor  (1975).

Ainda em estado de choque, ao constatar que a subcultura bedéfila continua tão surda e isolada nos seus critérios estéticos como há dez anos (desde a infâme lista da revista The Comics Journal), não se tendo movido um milímetro, lembrei-me de Dwight Macdonald o qual, na revista Politics Vol. 2, nº 4 (sendo, mais ou menos, mensal, o nº 15) de Abril de 1945, escreveu:

“Seria interessante saber quantos, dos dez milhões de comic books vendidos todos os meses, são lidos por adultos. […] Sabemos que os comics são a leitura favorita dos nossos homens nas forças armadas, e que os filmes do Oeste, juntamente com programas de rádio como O Mascarilha e Capitão Meia-Noite não são, de maneira nenhuma, apenas apreciados…

View original post mais 2.766 palavras

Deixe um comentário

Filed under referência